A substituição tributária ainda é um assunto que gera muitas dúvidas nas pessoas, de um modo geral. E quando falamos da substituição tributária na importação, parece que o assunto torna-se ainda mais complexo, afinal, existem algumas peculiaridades e diferenças, em termos de responsabilidade de recolhimento, o que a difere da substituição interna.

Mas não se preocupe! No post de hoje, vamos esclarecer alguns pontos sobre essa questão e contribuir para que haja um melhor entendimento a respeito da substituição tributária na importação e como ela funciona: conceito e aplicações. Além disso, falaremos sobre as principais dificuldades que os importadores enfrentam no recolhimento do ICMS.

Quer saber mais sobre o assunto? Então continue conosco e confira!

Afinal, o que é a substituição tributária?

De uma maneira simples, podemos dizer que a substituição tributária é um mecanismo de arrecadação por meio do qual a lei elege um terceiro responsável para que seja cumprida a obrigação tributária, no lugar do contribuinte natural.

É considerado contribuinte qualquer empresa ou pessoa, que realize operações de circulação de mercadoria ou prestação de serviços de transporte — ainda que elas não sejam geradas dentro do país e se iniciem no exterior.

Quais são as regras para produtos importados?

Diferentemente da substituição tributária realizada no país, a mercadoria que é importada é liberada no desembaraço aduaneiro somente com a prova de que o ICMS foi pago — uma vez que, na substituição tributária interna, em que o comerciante não é obrigado a provar o pagamento do ICMS na aquisição, é possível creditar do imposto que já foi pago pelo fornecedor.

Sendo assim, a antecipação do imposto onera mais o importador do que os comerciantes locais, já que ele precisa adiantar uma parte maior dos custos fiscais da operação.

Quais são as principais dificuldades encontradas pelos importadores?

Como vimos no tópico anterior, os importadores necessitam de maior disponibilidade financeira, uma vez que precisam adiantar os pagamentos dos impostos. Além disso, todo o pagamento do ICMS ao longo da cadeia comercial é feito pelo importador, ou seja, tanto o pagamento do ICMS que é devido na importação quanto o que é cobrado ao longo do ciclo comercial das operações. Dessa forma, toda a obrigação acaba pesando financeiramente para o importador, que muitas vezes precisa se valer de linhas de crédito especiais e empréstimos.

Além dessas questões terem como consequência o aumento dos preços de seus produtos, também se faz necessário fornecer garantias. Por outro lado, é preciso dizer que a prática da substituição tributária é praticada no país, principalmente, por ser uma forma de arrecadação facilmente controlada.

Como podemos ver, a substituição tributária na importação possui algumas particularidades que a diferem da substituição tributária praticada internamente. Além disso, também é notável que a grande parte da responsabilidade recai principalmente sobre o importador — que precisa dispor de maiores recursos financeiros para sustentar a operação.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre o assunto, conte-nos se possui alguma experiência relacionada à substituição tributária na importação ou se ainda tem alguma dúvida sobre o assunto. Compartilhe conosco!

Planilha de Substituição Tributária

OUTROS POSTS

DUIMP: tudo sobre a Declaração Única de Importação

Postado em 6 de dezembro de 2018

Multas na importação: Como evitá-las?

Postado em 1 de novembro de 2018

Importação de autopeças: Tudo que você precisa saber

Postado em 27 de junho de 2018

Importação de vinho: como calcular o preço de venda

Postado em 14 de junho de 2018

Gastos com capatazia excluídos da base de cálculo do II

Postado em 5 de abril de 2018

Nota fiscal de Importação: 4 perguntas frequentes

Postado em 25 de janeiro de 2018

Importação de produtos: Os 5 erros cometidos por brasileiros

Postado em 10 de janeiro de 2018

Importação marítima x importação aérea: qual a mais vantajosa?

Postado em 9 de janeiro de 2018

ICMS de produtos importados para revenda: Suspenso em São Paulo

Postado em 30 de novembro de 2017

Como importar pela primeira vez

Postado em 19 de junho de 2017

Podcast Semanal – Episódio 1

Postado em 9 de novembro de 2016

As 3 Vantagens de usar o ComexNF-e para o Importador

Postado em 7 de novembro de 2016

Série de Importação: O valor aduaneiro

Postado em 8 de junho de 2016

Série de importação: Órgãos internacionais

Postado em 24 de maio de 2016

Série de Importação: Modelos de importação

Postado em 11 de maio de 2016

Série de Importação: O despacho aduaneiro

Postado em 11 de maio de 2016

Impostos de importação: veja quais são e saiba como calcular

Postado em 21 de janeiro de 2016

Guia de Importação Para Empresas

Postado em 18 de dezembro de 2015

Software de gestão para importação: Veja as 5 Vantagens

Postado em 17 de dezembro de 2015

Importação por Conta e Ordem: Veja Como Funciona

Postado em 1 de dezembro de 2015

O que é a declaração de importação?

Postado em 26 de novembro de 2015

Como Contratar Um Bom Despachante Aduaneiro

Postado em 12 de novembro de 2015

Como emitir a declaração simplificada de importação?

Postado em 5 de novembro de 2015

NF-e de importação: Aprenda como fazer

Postado em 4 de novembro de 2015

Benefícios do cloud computing para a sua importadora

Postado em 9 de outubro de 2015

Como um software de gestão pode ajudar sua importadora

Postado em 24 de setembro de 2015

Despachante aduaneiro: O que é e o que faz

Postado em 22 de setembro de 2015

FCI: saiba tudo sobre a Ficha de Conteúdo de Importação

Postado em 17 de setembro de 2015

Precificação de Produtos Importados: 3 itens a considerar

Postado em 11 de setembro de 2015

Cálculo do ICMS na importação: Devo incluir a Taxa da Marinha Mercante?

Postado em 20 de julho de 2015

Devolução de mercadoria importada: é possível?

Postado em 20 de julho de 2015

5 dicas para evitar custos extras com armazenagem numa importação

Postado em 20 de maio de 2015

Bloco K: o que é e como se adequar

Postado em 19 de maio de 2015

COMENTÁRIOS

Existem 4 comente este post.

  • O produto que estamos tratando para importar tem regime de substituição tributária com valor fixo de PMPF.
    Nosso questionamento:
    No momento do desembaraço devo recolher o ICMS ST PMPF do Estado de destino??
    Desde já agradeço.

    Marcos Fragnito - 7 de agosto de 2015 Responder
    • Olá Marcos,

      Infelizmente não há uma regra. Alguns estados pedem que a ST seja recolhida no desembaraço, outros apenas na venda. Sugiro consultar seu contador ou, em última instância, a SEFAZ do seu Estado.

      Eduardo Ferreira - 7 de agosto de 2015 Responder
  • Faço hj importações via trading por conta e ordem . Alguns produtos que estamos tentando trazer têm NCM que exigem ST . Pergunto : A ST deverá vir destacada na NFe de entrada ( emitida pela Trading ) ou destacada nas nossas NFes de saida ?

    WALTER PINTO LIMA FILHO - 7 de agosto de 2015 Responder
  • Olá Walter. Infelizmente isso depende do seu Estado. Tenho clientes de MG, por exemplo, que precisam destacar a ST na NF-e de Entrada. A maioria, entretanto, faz apenas na Remessa. Alguns outros, por se tratar de uma operação por Conta e Ordem, não destacam nem na entrada nem na saída. É melhor procurar a SEFAZ do seu Estado.

    Eduardo Ferreira - 7 de agosto de 2015 Responder

ADICIONE UM COMENTÁRIO