Sua empresa é do regime normal: lucro real ou lucro presumido? Então, com certeza, você já deve ter ouvido falar em SPED Fiscal e Contribuições. Se você nunca ouviu falar, saiba então que o seu contador, todo mês, envia um arquivo digital contendo toda a escrituração de documentos fiscais e outras informações de interesse do fisco.

Ainda que seu contador seja quem realize o serviço, saiba que, na realidade, a responsabilidade pela emissão dos arquivos do SPED é da empresa, pois as informações necessárias para geração desses arquivos estão nos sistemas de gestão utilizados por ela.

Como enviar o SPED Fiscal?

Como vimos, a responsabilidade pela geração do SPED é do contribuinte (empresa). Sendo assim, o normal é que este se atente a utilizar um sistema que possua a geração dos arquivos SPED em sua lista de funcionalidades.

 

Conheça o Traxo

 

Esse sistema deverá extrair as informações da gestão da empresa (notas fiscais e estoque, por exemplo) e depois importá-las no PVA (Programa Validador e Assinador), fornecido pela Receita Federal. Como o próprio nome sugere, esse PVA irá validar as informações do SPED e enviá-las a receita. Caso existam erros, tanto no layout quanto na validação das informações, o PVA irá gerar um relatório em PDF indicando as correções a serem feitas.

Por que essa responsabilidade acaba, em muitos casos, sendo atribuída ao contador?

Apesar de ser responsabilidade do contribuinte, muitas empresas acabam delegando essa tarefa para o contador. Isso ocorre por dois motivos principais:

a) As empresas não possuem sistemas de gestão que geram o arquivo do SPED, enquanto as contabilidades, por sua vez, em sua grande maioria, possuem sistemas fiscais que geram esses arquivos. Ainda assim, o problema é que as contabilidades não possuem todas as informações necessárias ao SPED. Então, muitas vezes, juntar todos os dados necessários é uma tarefa árdua. No fim, o SPED Fiscal é uma grande colcha de retalhos e leva-se muito tempo para conciliar os valores e validar o arquivo no PVA.

b) As empresas não possuem no seu corpo de funcionários alguém com conhecimento fiscal para realizar a escrituração dos impostos. Um exemplo claro disso é na operação de importação. O governo elevou em 1% a alíquota de COFINS desta operação, mas não permite a empresa se creditar desses 1%. Sendo assim, apesar de a nota fiscal possuir a alíquota de COFINS “cheia”, na hora de escrituração esses 1% devem ser ignorados. Esses nuances tributários geralmente são conhecidos pelos contadores, mas não pelos funcionários da empresa que operam os sistemas de informação.

Não é difícil perceber que fazer o SPED Fiscal gera um custo adicional para o contador, pois é necessário tempo e mão de obra especializada para realizar esse trabalho. Passar a responsabilidade do SPED para o contribuinte é o sonho de qualquer contador, mas ao mesmo tempo é o pesadelo de qualquer empresa.

Como resolver o impasse?

Na minha opinião, é muito difícil para uma pequena empresa gerar o SPED Fiscal e Contribuições, ainda que seja de sua responsabilidade. Mais difícil ainda é convencer o empresário de que ele precisa contratar uma pessoa especializada somente para tratar nuances fiscais. Acredito que esse seja o motivo pelo qual os escritórios de contabilidade vêm assumindo esse trabalho.

Imagine agora se a empresa utilizasse um ERP que fornecesse ao contador um módulo acessível através da internet, onde ele pudesse gerar o arquivo do SPED através das informações inseridas pela empresa nas operações do dia a dia. Essa seria a solução ideal para ambas as partes, certo?

Pois pensando nisso que empresas como a Mainô possuem um módulo para o contador. Nesse módulo, o contador pode gerar o arquivo SPED para qualquer cliente que utilize seus sistemas. A grande vantagem é que, por estar no ambiente onde a empresa realiza a gestão e as operações do dia a dia, todas as informações necessárias para geração do arquivo já estarão neste ambiente integrado. Assim, não há o risco de se emitir o arquivo com erros.

Conclusão

Apesar da responsabilidade do SPED ser da empresa, o contador tem um papel importante no apoio a seu cliente. Utilizar um sistema online que possua um módulo para o contador gerar o SPED Fiscal é a solução para este impasse.

 

Conheça o Traxo

OUTROS POSTS

Planejamento tributário para 2019: 5 dicas de como fazê-lo

Postado em 10 de janeiro de 2019

DeSTDA: tudo o que você precisa saber sobre essa obrigação

Postado em 13 de dezembro de 2018

DIFAL: o que é e como calcular?

Postado em 12 de dezembro de 2018

NFe denegada: o que é e como resolver?

Postado em 27 de novembro de 2018

Qual a diferença entre Contribuinte, Contribuinte Isento e Não Contribuinte de ICMS?

Postado em 21 de novembro de 2018

SPED Fiscal: Versão 3.0 do Guia Prático

Postado em 8 de outubro de 2018

Regime Tributário: Qual escolher?

Postado em 2 de outubro de 2018

O que é Substituição Tributária?

Postado em 20 de setembro de 2018

O que é CEST?

Postado em 18 de setembro de 2018

O que é SPED Contribuições?

Postado em 14 de setembro de 2018

NCM para autopeças: Os riscos de uma classificação errada

Postado em 16 de agosto de 2018

O que é NCM e qual a sua importância?

Postado em 7 de agosto de 2018

Venda por operação triangular: o que é?

Postado em 13 de julho de 2018

Tabela CFOP: o que é e para que ela serve?

Postado em 10 de julho de 2018

NF-e de Transferência para Filial: Como emitir?

Postado em 5 de julho de 2018

6 perguntas frequentes sobre a ECD

Postado em 21 de junho de 2018

O que muda com a NF-e 4.0?

Postado em 19 de junho de 2018

Tudo o que você precisa saber sobre o bloco K do SPED Fiscal

Postado em 8 de junho de 2018

O que é manifestação do destinatário?

Postado em 29 de maio de 2018

O que fazer quando você perde suas notas fiscais?

Postado em 25 de maio de 2018

O que é e como funciona o SPED Fiscal?

Postado em 18 de maio de 2018

Cancelamento de nota fiscal após 24 horas

Postado em 4 de maio de 2018

Como emitir NF-e não contribuinte

Postado em 25 de abril de 2018

Como emitir uma NF-e com DIFAL

Postado em 20 de abril de 2018

Como emitir NF-e com Substituição Tributária

Postado em 19 de abril de 2018

Como emitir uma NF de remessa para feira ou exposição

Postado em 10 de abril de 2018

Nota Fiscal Complementar de ICMS: Como fazer?

Postado em 4 de abril de 2018

Como emitir uma nota fiscal de retorno de armazenagem

Postado em 1 de agosto de 2017

Como Emitir Nota Fiscal de Retorno de Mercadoria Vendida

Postado em 11 de julho de 2017

Como Emitir Nota Fiscal de Armazenagem – CFOP 5905

Postado em 3 de julho de 2017

O Guia Definitivo da NF-e 4.0: Saiba tudo sobre a mudança

Postado em 27 de junho de 2017

Guia de Gestão Financeira e Fiscal para Empresas

Postado em 12 de abril de 2016

Novas regras do ICMS: Entenda as mudanças

Postado em 26 de fevereiro de 2016

Emissão de NF-e: Tudo o que você precisa saber

Postado em 29 de janeiro de 2016

O que é a declaração de importação?

Postado em 26 de novembro de 2015

Nota Fiscal de Entrada de Importação: Planilha de Cálculo

Postado em 26 de outubro de 2015

Substituição Tributária: Planilha de Cálculo de ST para NF-e 4.0

Postado em 26 de outubro de 2015

FCI: saiba tudo sobre a Ficha de Conteúdo de Importação

Postado em 17 de setembro de 2015

Empresa de consultoria tributária: vale a pena contratar?

Postado em 25 de agosto de 2015

Cálculo do ICMS na importação: Devo incluir a Taxa da Marinha Mercante?

Postado em 20 de julho de 2015

COMENTÁRIOS

Existem 0 comente este post.

ADICIONE UM COMENTÁRIO