“Prepare-se para o pior.” Quem nunca ouviu essa frase? Diante de tanto pessimismo que assolou o país nos últimos anos (e muito meu Rio de Janeiro) essa foi uma das frases mais ditas por comentaristas econômicos, consultores, experts, etc. Talvez a dica que ninguém tenha dado ainda é: “Prepare-se para o melhor!”.

Por que se preparar para o melhor é tão importante?

Vou responder essa pergunta contando uma breve história. Em 2015 recebemos o primeiro investimento anjo da Mainô. Como meu background é técnico (sou formado em Ciência da Computação na UFRJ), acreditei que bastava contratar pessoas com perfil comercial para a empresa deslanchar. Não poderia estar mais enganado.

Depois de fracassar com alguns vendedores, cheguei a conclusão que eu mesmo deveria executar e aprender todos os processos da empresa, com o intuito de defini-los primeiro antes de contratar as pessoas. Engoli vários livros de vendas e estudei técnicas de negociação. Após aprender o processo, finalmente comecei a contratar as pessoas. Dessa vez acertei.

Num segundo momento, passei para o nível de gestão direta dessas pessoas, onde tive que deixar de lado meu perfil técnico e estudar sobre gente. Sim, estudar sobre gente. Para liderar um time, você precisa gostar de gente. E gente, meu amigo, nunca é igual. Sendo assim, comecei a estudar como selecionar pessoas, liderá-las, treiná-las, retê-las e por aí vai.

Num terceiro (e último) ato, foi necessário que eu saísse da gestão direta das equipes. Foi quando assumi formalmente o cargo de CEO da Mainô. A natureza do meu trabalho mudou mais uma vez. Minha missão agora é formar gestores e líderes (que são coisas diferentes), e fazer deles agentes replicadores da cultura da Mainô.

O que me chamou atenção é que eu nunca estava 100% preparado. Sempre que a natureza do meu trabalho mudava (porque a estratégia dava certo) eu precisava ter um novo ciclo de preparação.

Por exemplo, durante toda minha trajetória empreendedora, eu me preparei para liderar um time. Estudei sobre liderança e sobre gestão. Mas quando surgiu a necessidade de formar novos líderes, eu não ainda não estava preparado. Simplesmente não sabia como fazer, achava que dar o exemplo seria suficiente.

Bom, diante desse novo desafio, não fiquei parado. Um divisor de águas foi o programa Scalarator, ministrado pela Babson Entrepreneurship College, parte do ScaleUp Rio, patrocinado pelo SEBRAE. Nele pude entender que o principal papel do CEO é lutar pela cultura da empresa. E para lutar por essa cultura, antes de formar seu exército, é preciso formar seu primeiro escalão: as lideranças.

Faça frequentemente o exercício de pensar: “e se isso der certo, quais habilidades vou precisar diante desse novo cenário?”. Certamente isso encurtará seu caminho e fará de você um empreendedor mais preparado para os desafios empresariais.

OUTROS POSTS

Dicas do CEO: Qual desses cenários a sua empresa está?

Postado em 5 de dezembro de 2018

Dicas do CEO: Por que a sua empresa existe?

Postado em 28 de novembro de 2018

Dicas do CEO: Quanto tempo leva pra faturar 60 milhões?

Postado em 31 de outubro de 2018

Dicas do CEO: O que é inovação disruptiva e como ela impacta seu negócio?

Postado em 24 de outubro de 2018

Dicas do CEO: Liderar não é apenas sobre o que você diz ou faz

Postado em 17 de outubro de 2018

Dicas do CEO: Conversas difíceis

Postado em 10 de outubro de 2018

As 5 características a serem avaliadas na contratação

Postado em 3 de outubro de 2018

A importância de sair do operacional

Postado em 28 de setembro de 2018

Como montar um time AAA sem RH

Postado em 26 de setembro de 2018

Dicas do CEO: Valores são importantes?

Postado em 21 de setembro de 2018

Dicas do CEO: Como projetar a cultura da sua empresa

Postado em 19 de setembro de 2018

Dicas do CEO: Defina a cultura da empresa o quanto antes

Postado em 12 de setembro de 2018

Dicas do CEO: 7 dicas para delegar tarefas

Postado em 5 de setembro de 2018

Dicas do CEO: Toda semana uma dica de gestão

Postado em 29 de agosto de 2018

COMENTÁRIOS

Existem 1 comente este post.

  • Eduardo, aprendo consideravelmente c/ seus artigos. Poderia indicar as leituras que lhe ajudaram nessa jornada?

    Thiago - 14 de novembro de 2018 Responder

ADICIONE UM COMENTÁRIO