Definir o preço de uma mercadoria não é uma tarefa fácil. Agora imagine uma situação em que isso precisa ser feito com um produto importado! Nesses casos, você  precisará de análises muito mais detalhadas do que simplesmente a margem de lucro e os custos do produto.

No post de hoje, listamos 3 importantes itens que você deve considerar na hora de fazer a precificação de produtos importados, para que a sua empresa possa oferecer preços justos e sustentáveis ao seu negócio. Continue conosco e confira!

1. Fretes e seguros

O transporte de produtos, desde o local de produção até a sua empresa, demandará, no mínimo, 3 fretes distintos: da fábrica até o local de embarque; a viagem principal; e o frete interno no Brasil, e isso aumentará os custos, é claro. Mas tudo isso já é previsto e, portanto, é preciso apenas se certificar que estes deslocamentos não provocarão ao produto qualquer dano físico.

Se ele tiver um alto valor agregado, veja com o vendedor uma forma de assegurar que suas compras não serão prejudicadas por nenhum problema durante os deslocamentos. Os seguros são uma alternativa a esse tipo de imprevisto, mas nem sempre cobrem todo e qualquer tipo de problema apresentado pelos produtos. Com uma boa política de seguros, suas margens de lucro poderão crescer, sem a necessidade de aumento de preço.

2. Garantias e assistência técnica  

Com relação aos produtos importados, a assistência técnica oferecida pode ser um diferencial para que o seu produto tenha mais aceitação dos clientes a longo prazo. E isso pode gerar um custo adicional, que você deve considerar na hora de precificar produtos importados. Como nem todos os produtos pertencem a grandes marcas internacionais, o que se deve fazer quando não há o suporte de uma gigante na área de eletrodomésticos, por exemplo? A resposta é tentar viabilizar sua própria assistência técnica.

Assim, você terá seu próprio call center, oficina e, alternativamente, poderá oferecer aos seus clientes a possibilidade de enviarem o produto via correio para seu endereço físico de assistência técnica. Faça uma previsão dos gastos a serem realizados para estes serviços adicionais e inclua-os nos custos de comercialização. Os clientes, com ou sem garantia, poderão acionar sua assistência técnica e terão a oportunidade de se surpreender com seu bom atendimento.

3. Público-alvo

A definição do público-alvo trará o direcionamento dos planos para a sua margem de lucro. Se o produto importado for algo mais exclusivo, por exemplo, ele terá uma tendência de preços mais elevados e maior valor agregado, fazendo com que as margens de lucro sejam maiores.

Por outro lado, se a sua intenção ao importar um item for massificá-lo, será necessário ter um grande giro dos estoques, além de um ótimo relacionamento com seu fornecedor estrangeiro.

Para precificar produtos importados, é preciso considerar que: se o seu produto possui muito valor agregado, então a sua margem de lucro será alta; por outro lado, se ele é adquirido por uma quantidade grande de consumidores, suas margens de lucro poderão ser menores.

Finalmente, vale ressaltar a importância de estudar os concorrentes de um negócio, verificando quais são os preços praticados por eles para produtos similares aos seus.

E você, já sabe como precificar produtos importados? Deixe seu comentário! E para ler outros artigos como este, assine a nossa newsletter!

OUTROS POSTS

DUIMP: tudo sobre a Declaração Única de Importação

Postado em 6 de dezembro de 2018

Multas na importação: Como evitá-las?

Postado em 1 de novembro de 2018

Importação de autopeças: Tudo que você precisa saber

Postado em 27 de junho de 2018

Importação de vinho: como calcular o preço de venda

Postado em 14 de junho de 2018

Gastos com capatazia excluídos da base de cálculo do II

Postado em 5 de abril de 2018

Nota fiscal de Importação: 4 perguntas frequentes

Postado em 25 de janeiro de 2018

Importação de produtos: Os 5 erros cometidos por brasileiros

Postado em 10 de janeiro de 2018

Importação marítima x importação aérea: qual a mais vantajosa?

Postado em 9 de janeiro de 2018

ICMS de produtos importados para revenda: Suspenso em São Paulo

Postado em 30 de novembro de 2017

Como importar pela primeira vez

Postado em 19 de junho de 2017

Podcast Semanal – Episódio 1

Postado em 9 de novembro de 2016

As 3 Vantagens de usar o ComexNF-e para o Importador

Postado em 7 de novembro de 2016

Série de Importação: O valor aduaneiro

Postado em 8 de junho de 2016

Série de importação: Órgãos internacionais

Postado em 24 de maio de 2016

Série de Importação: Modelos de importação

Postado em 11 de maio de 2016

Série de Importação: O despacho aduaneiro

Postado em 11 de maio de 2016

Impostos de importação: veja quais são e saiba como calcular

Postado em 21 de janeiro de 2016

Guia de Importação Para Empresas

Postado em 18 de dezembro de 2015

Software de gestão para importação: Veja as 5 Vantagens

Postado em 17 de dezembro de 2015

Importação por Conta e Ordem: Veja Como Funciona

Postado em 1 de dezembro de 2015

O que é a declaração de importação?

Postado em 26 de novembro de 2015

Como Contratar Um Bom Despachante Aduaneiro

Postado em 12 de novembro de 2015

Como emitir a declaração simplificada de importação?

Postado em 5 de novembro de 2015

NF-e de importação: Aprenda como fazer

Postado em 4 de novembro de 2015

Benefícios do cloud computing para a sua importadora

Postado em 9 de outubro de 2015

Como um software de gestão pode ajudar sua importadora

Postado em 24 de setembro de 2015

Despachante aduaneiro: O que é e o que faz

Postado em 22 de setembro de 2015

FCI: saiba tudo sobre a Ficha de Conteúdo de Importação

Postado em 17 de setembro de 2015

Saiba mais sobre a substituição tributária na importação

Postado em 7 de agosto de 2015

Cálculo do ICMS na importação: Devo incluir a Taxa da Marinha Mercante?

Postado em 20 de julho de 2015

Devolução de mercadoria importada: é possível?

Postado em 20 de julho de 2015

5 dicas para evitar custos extras com armazenagem numa importação

Postado em 20 de maio de 2015

Bloco K: o que é e como se adequar

Postado em 19 de maio de 2015

COMENTÁRIOS

Existem 0 comente este post.

ADICIONE UM COMENTÁRIO