Olá pessoal!

 

Hoje venho contar para vocês para que serve uma Licença de Importação.

 

Analisando apenas a palavra “Licença de Importação” parece óbvia sua finalidade, poderíamos dizer que é um documento que permite o importador efetuar a importação de sua mercadoria.

 

E não é isso Carol?!

 

Sim, é isso também!

 

Digo também porque a licença de importação não está apenas vinculada a permissão para entrada no Brasil da mercadoria que será importada. Pode também estar vinculada a permissão do tipo de operação que será realizada na importação.

 

Também poderia se pensar que a Licença de Importação é um documento emitido uma única vez, e pronto, como por exemplo uma Licença de Funcionamento de Empresa (alvará). Mas não é!

 

Como assim Carol?! Não estamos entendendo!

 

Para facilitar o entendimento, vamos por partes então.

 

O QUE É A LICENÇA DE IMPORTAÇÃO?

 

Segundo o MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), a Licença de Importação é:

 

“A LI é um documento eletrônico registrado pelo importador no SISCOMEX, que contém informações acerca da mercadoria a ser importada e da operação de importação de maneira geral, tais como importador, exportador, país de origem, procedência e aquisição, regime tributário, cobertura cambial, entre outras.”

 

Fonte: Site do MDIC.

 

Resumindo, trata-se de um documento eletrônico emitido através do Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX), que contempla todas as informações:

 

  • da mercadoria: Classificação Fiscal – NCM, Peso bruto e Peso líquido, Descrição em português, Quantidade, Valor unitário e Valor total.

 

  • da operação: Local de embarque, Local onde será feito o despacho, Tratamento tributário que será aplicado, Incoterm, Modalidade cambial, Fabricante e Exportador.

 

Podemos ter um determinado tipo de mercadoria, como por exemplo “Chás prontos para o consumo” sujeitos a Licença de Importação. Esta obrigatoriedade da Licença de Importação está vinculada ao tipo de mercadoria, bebida pronta para o consumo humano, este tipo de produto tem anuência do MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

 

Por outro lado, podemos ter uma mercadoria que pelo seu tipo não está sujeita a licença de importação, mas devido a forma que a operação de importação irá ocorrer faz-se necessário a emissão da Licença, é o caso das mercadorias submetidas ao Regime Especial de Drawback, que devido ao tratamento tributário que será aplicado, a operação fica sujeita a Licença de Importação.

 

UMA LICENÇA PARA CADA OPERAÇÃO

 

Como eu mencionei no começo do texto, a Licença de Importação, não é igual a Licença de Funcionamento da Empresa (Alvará).

 

Falo da Licença de Funcionamento apenas como um exemplo para que vocês possam comparar que apesar de ambas serem consideradas “licenças” a operacionalidade é totalmente diferente uma da outra.

 

A Licença de Funcionamento para estabelecimentos geralmente é emitida e concedida uma única vez, sendo definitiva.

 

Já a Licença de Importação é emitida por operação, ou seja, deve ser emitida uma nova LICENÇA DE IMPORTAÇÃO toda vez que o importador for efetuar uma nova importação.

 

NOVIDADE!

 

Pessoal, uma novidade é que o governo está revendo todo o processo de importação, inclusive o procedimento de Licença de Importação. A previsão é que venham algumas mudanças para a Licença de Importação, e que será possível, futuramente, que uma única LICENÇA DE IMPORTAÇÃO seja utilizada para diversas operações! Mas infelizmente é apenas futuramente, por enquanto continua o procedimento normal.

 

Agora que o conceito da Licença de Importação já foi entendido, vamos para o ponto em questão:

 

PARA QUE SERVE UMA LICENÇA DE IMPORTAÇÃO?

 

Para que o governo possa ter o Controle Administrativo das importações.

 

Carol, o que seria exatamente isso?!

 

É através da Licença de Importação que o governo pode controlar “o que entra no país” e “como entram no país” determinadas mercadorias.

 

Este tipo de controle funciona como uma barreira não-tarifária.

 

Barreira Não-Tarifária é…

…qualquer medida de caráter administrativo, financeiro, cambial ou de qualquer natureza, mediante a qual um Estado Parte impeça ou dificulte, por decisão unilateral, o comércio recíproco.

                                                              (Fonte: Glossário do MERCOSUL)

 

 

Esse controle administrativo de que falamos visa proteger o país, evitando que mercadorias que não respeitem nossas legislações entrem no país. Mercadorias estas que possam prejudicar a saúde humana ou danificar o meio ambiente, como também provocar desequilíbrio no mercado interno.

 

É através do controle administrativo que é feito o monitoramento de preços com objetivo de assegurar e proteger a indústria nacional.

Há também razões de ordem política para o controle, como recomendações de organismos internacionais com intuito de não promover o comércio entre países que não respeitem os direitos trabalhistas, por exemplo.

 

Vejam a definição do MDIC a respeito do Controle Administrativo das importações:

 

Controle Administrativo é:“Controle exercido com o objetivo de verificar a consonância da operação pretendida em relação às normas comerciais, técnicas, sanitárias, ambientais, entre outras.”

(Fonte: Site MDIC)

 

ÓRGÃOS ANUENTES

 

Mas Carol, quem são estas pessoas do governo que fazem estas análises das Licenças de Importação?

 

São os órgãos anuentes.

 

ÓRGÃOS ANUENTES: São os órgãos governamentais responsáveis pela análise da importação, são eles quem autorizam o início do processo de importação de determinadas mercadorias/operações sujeitas a controle específico, por exemplo, de ordem sanitária, de interesse de segurança nacional, etc.

 

Carol, mas quem são eles?

 

Abaixo disponibilizo o rol de órgãos anuentes que operam na importação:

 

  • ANCINE – Agência Nacional do Cinema
  • ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica
  • ANP – Agência Nacional de Petróleo
  • ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária
  • CNEN – Comissão Nacional de Energia Nuclear
  • DECEX – Departamento de Operações de Comércio Exterior
  • DFPC – Exército Brasileiro / Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados
  • DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral
  • DPF – Departamento de Polícia Federal
  • ECT – Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos
  • IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis
  • INMETRO – Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial
  • MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
  • MCT – Ministério da Ciência e Tecnologia
  • SUFRAMA – Superintendência da Zona Franca de Manaus

 

EXEMPLO

 

Para ficar mais claro esse Controle Administrativo vou citar para vocês um exemplo interessante.

 

Para importar MÓVEIS DE MADEIRA é necessária a Licença de Importação.

 

Quem faz esta análise para verificar se PERMITE ou NÃO PERMITE a entrada dos móveis de madeira no país é o órgão anuente, que neste caso é o MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

 

Vejam que a preocupação do MAPA nesta análise é com relação ao risco de pragas que a madeira pode conter. Notem que existe uma grande responsabilidade por parte do MAPA de evitar que entrem no país pragas que possam comprometer e ameaçar a nossa agricultura.

 

E não é apenas para os casos de mercadorias feitas de madeira que o MAPA faz esta análise, mas sim para todos os tipos de espécies vegetais, inclusive para as embalagens das mercadorias que chegam no Brasil, como os pallets e caixas de madeira.

 

“Análise de Risco de Pragas é o processo de avaliação biológica ou outra evidência científica e econômica para determinar se um organismo é uma praga, se ela deve ser regulamentada, e a intensidade de quaisquer  medidas fitossanitárias  a  serem  adotadas  contra  ela  (FAO, 1995; revisada CIPV, 1997; NIMF Nº 2, 2007).”

 

(Fonte: Site do MAPA)

 

Abaixo listo outros exemplos de importações e suas anuências de maneira resumida:

 

Mercadorias que precisam de LICENÇA DE IMPORTAÇÃO:

 

  • Importações de peixes para reprodução (anuência MAPA);

 

  • Importações de óculos de sol (anuência DECEX);

 

  • Importações de armas de fogo (anuência DFPC – Exército).

 

  • Importações de medicamentos (Anuência ANVISA)

 

Operações que precisam de LICENÇA DE IMPORTAÇÃO:

 

  • Importações de Material Usado, salvo algumas exceções (anuência DECEX);

 

  • Importações realizadas ao amparo dos benefícios da Zona Franca de Manaus (anuência SUFRAMA);

 

  • Importações realizadas ao amparo do regime aduaneiro especial de Drawback (anuência DECEX).

 

ANUÊNCIA

 

E para ficar mais clara esta questão da anuência, vejam a figura abaixo:

 

(Fonte: MDIC – Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior).

 

Vejam o quão importante é saber se a mercadoria que você quer importar para revender no Brasil precisa ou não de Licença de Importação.

 

Caso seja necessária a LICENÇA DE IMPORTAÇÃO, apenas será permitida a entrada da mercadoria após os órgãos anuentes se pronunciarem DEFERINDO a LICENÇA DE IMPORTAÇÃO, ou seja, após a autorização da importação por parte da manifestação dos órgãos anuentes no próprio documento.

(OBS: Imagem retirada de uma Licença de Importação DEFERIDA no SISCOMEX.)

 

EMBARQUE DA MERCADORIA

 

Sendo a emissão da Licença de Importação efetuada no SISCOMEX é necessário aguardar a sua autorização antes de embarcar a mercadoria para o Brasil. Em alguns casos é possível embarcar a mercadoria sem a Licença de Importação ter sido deferida, porém assim que a mercadoria chega no Brasil o órgão anuente faz uma inspeção física para verificar se esta está de acordo, para então deferir a Licença de Importação e o importador poder dar sequência no registro da Declaração de Importação (D.I).

 

CONCLUSÃO

 

Vistas todas essas informações, quero destacar aqui que a operação de importação no Brasil não é para marinheiros de primeira viagem…então pesquisem, perguntem e contratem profissionais competentes na área de comércio exterior pois assim poderão planejar corretamente sua importação sem correr riscos ou ter surpresas no momento da operação na prática.

 

Abraços!

OUTROS POSTS

O que é CNAE? Aprenda a classificar a sua empresa.

Postado em 15 de janeiro de 2019

Especial Melhores do Ano de 2018

Postado em 28 de dezembro de 2018

4 dicas para reuniões produtivas

Postado em 20 de dezembro de 2018

Custo do produto: Como montar uma ficha técnica?

Postado em 6 de novembro de 2018

Como utilizar a curva ABC na prática em seu comércio

Postado em 16 de outubro de 2018

4 dicas para um bom planejamento e controle de produção

Postado em 11 de outubro de 2018

O jeito Disney de encantar os clientes aplicado a seu negócio

Postado em 13 de setembro de 2018

O que os empreendedores de sucesso tem em comum?

Postado em 6 de setembro de 2018

Como escolher um software de gestão para auto peças

Postado em 23 de agosto de 2018

Tabela CFOP: o que é e para que ela serve?

Postado em 10 de julho de 2018

Por que não usar planilhas para gerenciar dados da empresa?

Postado em 28 de junho de 2018

4 passos para reduzir a inadimplência no meu comércio

Postado em 4 de junho de 2018

Determinando contabilmente o preço de um produto

Postado em 17 de maio de 2018

Novidade no Sistema: Módulo de Planos de Contas

Postado em 15 de maio de 2018

Tudo o que você precisa saber sobre Microempreendedor Individual (MEI)

Postado em 27 de abril de 2018

5 dicas fundamentais para encantar e reter clientes

Postado em 12 de abril de 2018

Guia Certificado Digital ICP-Brasil

Postado em 26 de março de 2018

Pis e Cofins na importação: como recuperar impostos

Postado em 8 de março de 2018

Por que é vital a correta classificação fiscal da importação

Postado em 1 de março de 2018

Retrospectiva de 2017

Postado em 3 de janeiro de 2018

Case de Sucesso Comex NF-e: H3 Trading

Postado em 16 de novembro de 2017

Fim do emissor gratuito da Sefaz Maranhão

Postado em 13 de outubro de 2017

Fim dos boletos sem registro: mais segurança nas transações

Postado em 4 de outubro de 2017

A morte dos ERPs completos

Postado em 20 de setembro de 2017

Como reduzir custos de empresas de Comex

Postado em 14 de setembro de 2017

3 coisas que aprendi que vão mudar sua empresa

Postado em 31 de agosto de 2017

Redução no imposto de importação para 4,9 mil produtos

Postado em 18 de agosto de 2017

A Mainô agora faz parte do Hub do Empreendedor!

Postado em 7 de agosto de 2017

Planejamento de Estoque: Inimigo ou Aliado?

Postado em 24 de julho de 2017

Pis e Cofins na Importação: Como Recuperar Impostos

Postado em 18 de maio de 2017

NF-e de Importação: como calcular igual seu despachante?

Postado em 29 de agosto de 2016

O Retorno do Investimento da adoção de ERPs Cloud para PME

Postado em 14 de julho de 2016

Software de gestão: por que sua empresa deve ter um

Postado em 16 de maio de 2016

Os 5 maiores mitos sobre tecnologia na nuvem

Postado em 29 de abril de 2016

Como reduzir custos na empresa de forma profissional

Postado em 14 de abril de 2016

Como uma empresa de importação reduziu 97% do desperdício

Postado em 14 de abril de 2016

Guia de Gestão Financeira e Fiscal para Empresas

Postado em 12 de abril de 2016

7 dicas infalíveis para ter uma empresa de sucesso

Postado em 1 de março de 2016

5 vantagens de utilizar um software na nuvem

Postado em 21 de janeiro de 2016

Planilha de controle de estoque: video explicativo

Postado em 6 de outubro de 2015

Como Recuperar os Impostos da Sua Empresa ?

Postado em 25 de agosto de 2015

COMENTÁRIOS

Existem 0 comente este post.

ADICIONE UM COMENTÁRIO