Em tempos de mundo conectado a segurança online é primordial. A possibilidade de se negociar com pessoas e empresas de qualquer parte do mundo permite expandir o seu empreendimento. No entanto, isso diminui o controle sobre as informações do seu negócio que podem ser usadas da maneira errada por indivíduos mal-intencionados e resultar em alguns problemas para você.

Pensando em se adaptar a esse contexto de informatização foi que o governo brasileiro criou o projeto SPED, o qual visa dar maior segurança eletrônica aos seus contribuintes. E para se adaptar a esse contexto foi criada a manifestação do destinatário.

O que é manifestação do destinatário?

Sem a manifestação do destinatário qualquer empresa pode emitir notas fiscais para o seu CNPJ. E isso pode ter impactos muito negativos para a sua empresa como, por exemplo, cair na malha fina do governo ao realizar o cruzamento das informações acessórias dos contribuintes.

Ela também é conhecida pela sigla MD-e, e permite que o destinatário possa confirmar, ou não, sua participação em uma determinada operação.

Embora muitas empresas ainda possam optar em aderir à MD-e, aquelas que se enquadram em alguma das situações abaixo estão obrigadas à realizar a manifestação do destinatário ao receber suas notas:

  • Operações com álcool cuja utilização tenha fins não combustíveis, conforme ajuste Sinief 4, que foi publicado no Diário Oficial da União em 21 de março de 2014.
  • Empresas do ramo de combustíveis, e aqui devem ser incluídas revendedoras, distribuidoras, postos que trabalham com revenda a retalho.
  • Atacadistas ou distribuidores que trabalham com cigarros, bebidas alcoólicas, refrigerantes ou água mineral.
  • Todas as notas fiscais cujo valor ultrapasse o limite de R$ 100.000,00 (cem mil reais).

Salienta-se que a obrigatoriedade da MD-e dá-se para as NF-es que acobertem as operações com os itens citados acima (combustíveis, lubrificantes – derivados ou não de petróleo, álcool, cigarros, etc).

A finalidade da manifestação do destinatário

Essa é mais uma prática instituída pelo governo que visa proporcionar mais segurança aos seus contribuintes. Principalmente devido a essa nova realidade que está sendo implantada pelo fisco devido ao projeto de digitalização e informatização de seus processos.

Com a manifestação do destinatário fica muito mais fácil impedir emissão de notas fiscais fraudulentas. Ela também ajuda a identificar com mais facilidade crimes de lavagem de dinheiro, já que o documento só poderá ser emitido caso haja aceite de ambas as partes.

Você já pensou as complicações que podem acontecer caso sua empresa caia na malha fina devido a má-fé de terceiros?

Conheça os tipos de manifestação do destinatário

Nas situações em que é necessária a manifestação do destinatário ela pode se dar das seguinte maneiras:

  • Ciência da emissão: nela o contribuinte informa que sabe que a nota fiscal foi emitida para o seu CNPJ, embora não seja confirmação de que a operação aconteceu.
  • Confirmação da operação: aqui o cliente confirma que existiu a operação e a mercadoria foi recebida. Após haver a confirmação, não existe mais a possibilidade de o documento fiscal ser cancelado.
  • Operação não realizada: os casos mais comuns que podem ensejar nessa manifestação do destinatário são aqueles em que a mercadoria não é entregue (devido a acidentes, avarias durante o transporte) ou se foi entregue outro produto que não o solicitado.
  • Desconhecimento da operação: essa opção é escolhida quando a empresa não realizou a negociação que está sendo acobertada pelo documento fiscal. É também uma forma que o contribuinte tem de se proteger de futuros débitos tributários decorrente de fraudes realizadas por terceiros.

A manifestação de destinatário eletrônica é um procedimento realizado no ambiente virtual e pode ser feita através de uso de software específico. Dessa maneira, para que sua empresa esteja realmente protegida, é necessário obter um programa de automação que dê conta da operacionalização desses processos. Ele deve fazê-lo de forma simplificada, diminuindo os erros da sua equipe, dando maior agilidade e melhorando a performance da sua empresa.

Quer saber como o Traxo pode ajudar aumentar a lucratividade da sua empresa? Mande-nos agora mesmo uma mensagem com sua dúvida.

OUTROS POSTS

DeSTDA: tudo o que você precisa saber sobre essa obrigação

Postado em 13 de dezembro de 2018

DIFAL: o que é e como calcular?

Postado em 12 de dezembro de 2018

NFe denegada: o que é e como resolver?

Postado em 27 de novembro de 2018

Qual a diferença entre Contribuinte, Contribuinte Isento e Não Contribuinte de ICMS?

Postado em 21 de novembro de 2018

SPED Fiscal: Versão 3.0 do Guia Prático

Postado em 8 de outubro de 2018

Regime Tributário: Qual escolher?

Postado em 2 de outubro de 2018

O que é Substituição Tributária?

Postado em 20 de setembro de 2018

O que é CEST?

Postado em 18 de setembro de 2018

O que é SPED Contribuições?

Postado em 14 de setembro de 2018

NCM para autopeças: Os riscos de uma classificação errada

Postado em 16 de agosto de 2018

O que é NCM e qual a sua importância?

Postado em 7 de agosto de 2018

Venda por operação triangular: o que é?

Postado em 13 de julho de 2018

Tabela CFOP: o que é e para que ela serve?

Postado em 10 de julho de 2018

NF-e de Transferência para Filial: Como emitir?

Postado em 5 de julho de 2018

6 perguntas frequentes sobre a ECD

Postado em 21 de junho de 2018

O que muda com a NF-e 4.0?

Postado em 19 de junho de 2018

Tudo o que você precisa saber sobre o bloco K do SPED Fiscal

Postado em 8 de junho de 2018

O que fazer quando você perde suas notas fiscais?

Postado em 25 de maio de 2018

O que é e como funciona o SPED Fiscal?

Postado em 18 de maio de 2018

Cancelamento de nota fiscal após 24 horas

Postado em 4 de maio de 2018

Como emitir NF-e não contribuinte

Postado em 25 de abril de 2018

Como emitir uma NF-e com DIFAL

Postado em 20 de abril de 2018

Como emitir NF-e com Substituição Tributária

Postado em 19 de abril de 2018

Como emitir uma NF de remessa para feira ou exposição

Postado em 10 de abril de 2018

Nota Fiscal Complementar de ICMS: Como fazer?

Postado em 4 de abril de 2018

Quem deve entregar o SPED Fiscal: empresa ou contabilidade?

Postado em 16 de março de 2018

Como emitir uma nota fiscal de retorno de armazenagem

Postado em 1 de agosto de 2017

Como Emitir Nota Fiscal de Retorno de Mercadoria Vendida

Postado em 11 de julho de 2017

O Guia Definitivo da NF-e 4.0: Saiba tudo sobre a mudança

Postado em 27 de junho de 2017

Guia de Gestão Financeira e Fiscal para Empresas

Postado em 12 de abril de 2016

Novas regras do ICMS: Entenda as mudanças

Postado em 26 de fevereiro de 2016

Emissão de NF-e: Tudo o que você precisa saber

Postado em 29 de janeiro de 2016

O que é a declaração de importação?

Postado em 26 de novembro de 2015

Nota Fiscal de Entrada de Importação: Planilha de Cálculo

Postado em 26 de outubro de 2015

Substituição Tributária: Planilha de Cálculo de ST para NF-e 4.0

Postado em 26 de outubro de 2015

FCI: saiba tudo sobre a Ficha de Conteúdo de Importação

Postado em 17 de setembro de 2015

Empresa de consultoria tributária: vale a pena contratar?

Postado em 25 de agosto de 2015

Cálculo do ICMS na importação: Devo incluir a Taxa da Marinha Mercante?

Postado em 20 de julho de 2015

COMENTÁRIOS

Existem 0 comente este post.

ADICIONE UM COMENTÁRIO