Em outro post explicamos o que é a nota fiscal eletrônica, o que a diferencia da convencional, quem a emite e quais os cuidados necessários. Neste artigo, ensinaremos como emitir a Nota NF-e de importação, como preenchê-la e quais são suas vantagens. Confira!

Como emitir a NF-e de importação?

A forma para emitir a NF-e de importação pode variar de acordo o software usado, portanto, apontaremos as informações que não podem faltar, bem como preenche-las adequadamente. Além disso, ensinaremos como agilizar este processo através da importações de dados diretamente do SISCOMEX.

Como preencher os dados?

– O primeiro passo é fornecer informações sobre o remetente, que envolvem a razão social, o múnicípio e estado, que neste caso devem ser preenchidos como “Exterior” e “Ex” respectivamente, além do código do exportador, criado pelo próprio importador para fins de cadastro próprio;

– Inserir o CFOP que deve começar com “3” seguido por outros digitos que indicam a finalidade da importação;

– Inserir  a Nomeclatura Comum do Mercosul (NCM), constituída por 8 dígitos que classificam a natureza do produto importado;

– Determinar a Situação Tributária, com um código de 3 dígitos, sendo o primeiro referente à origem da mercadoria e os outros dois à tributação pelo ICMS;

– Calcular o total da mercadoria, que é composto pela soma do valor aduaneiro mais o imposto de importação, bem como o unitário que é a divisão deste total pela quantidade de itens;

– Valores relacionados ao frete devem ser deixados em branco, uma vez que já estão inclusos no valor aduaneiro da mercadoria;

– Incluir as despesas acessórias que envolvem o SICOMEX, PIS e COFINS;

– Calcular o valor total da Nota Fiscal, que consiste na soma do valor total dos produto, mais impostos, despesas acessórias e IPI;

– Por fim, insira o número da Declaração de Importação, que não pode conter nenhum tipo de erro ou informação incompleta.

Utilizando o SISCOMEX

Para agilizar estre processos, alguns softwares como o COMEX NF-e possuem a opção de importar os dados do XML do SISCOMEX WEB. Na função “Importar do SISCOMEX” adicione o arquivo no local indicado, salve e você será redirecionado a uma tela para digitar os dados restantes. Complete os campos e o próprio sistema já carregará as informações sobre os produtos, valores e impostos. Finalize o processo, confira se há diferença entre o valor informado e o calculado e gere a nota fiscal. Utilizando o COMEX NF-e, todo este processo pode ser realizado em até 2 minutos.

Vantagens da NF-e de importação

A automatização do processo pela importação de dados, além tornar o processo mais rápido, evita erros no processo de digitação. Além disso, estes sistemas guardam informações sobre  todas as movimentações realizadas com nota fiscal, desta forma é possível manter um controle de estoque preciso e sempre atualizado. Isso também possibilita resgatar informações de qualquer data anterior. Softwares como o COMEX NF-e, trabalham com a nuvem e permitem que o seu sistema seja implementado rapidamente, sem burocracias, permitindo o uso logo após a instalação. Por fim, estar online o tempo todo também lhe confere mobilidade, podendo ser usado de qualquer local do mundo que tenha acesso à internet.

Quer mais dicas sobre gestão de negócios e como torná-la mais eficiente? Acesse o nosso site e assine a newsletter para receber nossos posts em primeira mão. E não se esqueça de deixar suas dúvidas e sugestões sobre a NF-e de importação nos comentários!

OUTROS POSTS

DUIMP: tudo sobre a Declaração Única de Importação

Postado em 6 de dezembro de 2018

Multas na importação: Como evitá-las?

Postado em 1 de novembro de 2018

Importação de autopeças: Tudo que você precisa saber

Postado em 27 de junho de 2018

Importação de vinho: como calcular o preço de venda

Postado em 14 de junho de 2018

Gastos com capatazia excluídos da base de cálculo do II

Postado em 5 de abril de 2018

Nota fiscal de Importação: 4 perguntas frequentes

Postado em 25 de janeiro de 2018

Importação de produtos: Os 5 erros cometidos por brasileiros

Postado em 10 de janeiro de 2018

Importação marítima x importação aérea: qual a mais vantajosa?

Postado em 9 de janeiro de 2018

ICMS de produtos importados para revenda: Suspenso em São Paulo

Postado em 30 de novembro de 2017

Como importar pela primeira vez

Postado em 19 de junho de 2017

Podcast Semanal – Episódio 1

Postado em 9 de novembro de 2016

As 3 Vantagens de usar o ComexNF-e para o Importador

Postado em 7 de novembro de 2016

Série de Importação: O valor aduaneiro

Postado em 8 de junho de 2016

Série de importação: Órgãos internacionais

Postado em 24 de maio de 2016

Série de Importação: Modelos de importação

Postado em 11 de maio de 2016

Série de Importação: O despacho aduaneiro

Postado em 11 de maio de 2016

Impostos de importação: veja quais são e saiba como calcular

Postado em 21 de janeiro de 2016

Guia de Importação Para Empresas

Postado em 18 de dezembro de 2015

Software de gestão para importação: Veja as 5 Vantagens

Postado em 17 de dezembro de 2015

Importação por Conta e Ordem: Veja Como Funciona

Postado em 1 de dezembro de 2015

O que é a declaração de importação?

Postado em 26 de novembro de 2015

Como Contratar Um Bom Despachante Aduaneiro

Postado em 12 de novembro de 2015

Como emitir a declaração simplificada de importação?

Postado em 5 de novembro de 2015

Benefícios do cloud computing para a sua importadora

Postado em 9 de outubro de 2015

Como um software de gestão pode ajudar sua importadora

Postado em 24 de setembro de 2015

Despachante aduaneiro: O que é e o que faz

Postado em 22 de setembro de 2015

FCI: saiba tudo sobre a Ficha de Conteúdo de Importação

Postado em 17 de setembro de 2015

Precificação de Produtos Importados: 3 itens a considerar

Postado em 11 de setembro de 2015

Saiba mais sobre a substituição tributária na importação

Postado em 7 de agosto de 2015

Cálculo do ICMS na importação: Devo incluir a Taxa da Marinha Mercante?

Postado em 20 de julho de 2015

Devolução de mercadoria importada: é possível?

Postado em 20 de julho de 2015

5 dicas para evitar custos extras com armazenagem numa importação

Postado em 20 de maio de 2015

Bloco K: o que é e como se adequar

Postado em 19 de maio de 2015

COMENTÁRIOS

Existem 0 comente este post.

ADICIONE UM COMENTÁRIO