Assim como para qualquer produto, preencher corretamente a NCM para autopeças ao emitir uma nota fiscal é fundamental para evitar multas e complicações com o Fisco. O código NCM foi imposto pelo governo brasileiro como forma de controlar e identificar os produtos a serem tributados nas transações.

Porém, muitos empresários do ramo de autopeças encontram algumas dificuldades na hora de classificar os produtos, resultando em erros, multas e dores de cabeça.

Nesse artigo, falaremos um pouco sobre os principais erros, os riscos de classificação de NCM autopeças errada e as dicas de como evitar. Confira.

O que é a classificação fiscal de mercadorias?

Conhecer e utilizar a Classificação Fiscal de Mercadorias é uma obrigação de todos os comerciantes, sejam eles varejistas, atacadistas, importadores ou exportadores. O NCM é um campo obrigatório ao se emitir uma nota fiscal, mas a receita não valida a corretude do campo no momento da emissão da NF-e. Mesmo assim, uma informação errada à Receita Federal pode acarretar multas bem altas.

Cada tipo de produto ou mercadoria possui um código correspondente na NCM. Além de ser utilizada para determinar as alíquotas de impostos de importação, IPI, PIS, COFINS e ICMS (e ICMS ST) a serem pagos, a NCM serve também para verificar os órgãos anuentes e para fins de cálculos estatísticos do governo sobre o comércio exterior. A NCM também aparece em todos os documentos relacionados à operações de comércio exterior, tais como Declaração de Importação (DI) e fatura comercial.

Como fazer a Classificação Fiscal de Mercadorias?

A classificação pode ser consultada em um documento chamado de tarifa externa comum (TEC) e também na Tipi (Tabela de incidência do imposto sobre produtos industrializados), que fala sobre o IPI utilizado no Brasil. Qualquer que seja a tabela escolhida, basta procurar seu produto na lista e verificar o código NCM correspondente. No entanto, nem sempre a classificação fiscal é tão simples como parece.

A responsabilidade por fornecer a classificação fiscal é da empresa vendedora mas, muitas vezes, existem dúvidas. Nesse caso, o melhor a fazer é solicitar uma Consulta sobre Classificação Fiscal de Mercadorias à Receita Federal.

Os principais riscos de uma Classificação Fiscal errada

Uma das principais fontes de risco para a atividade empresarial é o tratamento inadequado da classificação fiscal das mercadorias.

Esse risco tem dois lados: de um, os riscos financeiros relacionados à multas e, de outro lado, a perda de vantagens proporcionadas pela legislação tributária, onde paga-se imposto a mais. Em ambos os casos, o prejuízo já foi causado.

Além disso, ainda há uma outra questão: Muitos clientes não compram o seu produto se ele estiver com uma classificação errada e isso pode acabar impactando também no seu estoque, que ficará parado com produtos que vão acabar não sendo vendidos.

Os principais erros cometidos com NCM para autopeças e suas multas

Quando uma mercadoria é identificada com o NCM incorreto e sofre desclassificação fiscal, a multa incide sobre 1% do valor total da mercadoria. Caso 1% seja menor que R$500,00, será cobrado esse valor ou até 10% do total da mercadoria, o que for menor. Além disso, também é aplicada a diferença de alíquota, cabendo o pagamento do imposto restante.

Mas não para por aí. Ao constatar o erro no NCM, o fisco pode também taxar todos os outros lançamentos e remessas do passado que tinham o mesmo código, cobrando não só a diferença de alíquota e a multa de 1%, como também juros pertinentes.

Vale lembrar que todas as penalidades fiscais para quem erra na classificação fiscal de mercadorias, dependendo da interpretação da Receita Federal podem evoluir para a esfera criminal. Portanto, tenha sempre o máximo de atenção.

Dica de ouro para evitar os erros com NCM autopeças

A regra de ouro é: não olhe para as alíquotas dos impostos! Imagine que você está em dúvida sobre como classificar um produto. Dentre as opções de NCM que podem ser classificados um possui IPI de 18% enquanto outro possui IPI de 16%. Pode ser tentador utilizar a classificação fiscal de menor alíquota. Entretanto, além da multa, você também pagará a diferença entre a alíquota utilizada e a correta, gerando grande prejuízo financeiro, além de desgaste com seu cliente.

Por isso, nesta etapa de classificação, não se deve levar em consideração a questão tributária e sim, quais são as caraterísticas físicas da mercadoria. Isso significa dizer do que o produto é feito, para que ele serve e como será utilizado. São estas as características do item que vão influenciar na classificação do NCM. A classificação deve sempre ser baseada em informações reais sobre o produto, sua aplicação e suas características. Tentar burlar o sistema fiscal ou até mesmo classificar erroneamente um produto de maneira não intencional só trará prejuízos. Na dúvida, peça ajuda a seu contador.

Gostou no nosso artigo sobre riscos de classificação de NCM autopeças errada? Deixe o seu comentário!

OUTROS POSTS

Planejamento tributário para 2019: 5 dicas de como fazê-lo

Postado em 10 de janeiro de 2019

DeSTDA: tudo o que você precisa saber sobre essa obrigação

Postado em 13 de dezembro de 2018

DIFAL: o que é e como calcular?

Postado em 12 de dezembro de 2018

NFe denegada: o que é e como resolver?

Postado em 27 de novembro de 2018

Qual a diferença entre Contribuinte, Contribuinte Isento e Não Contribuinte de ICMS?

Postado em 21 de novembro de 2018

SPED Fiscal: Versão 3.0 do Guia Prático

Postado em 8 de outubro de 2018

Regime Tributário: Qual escolher?

Postado em 2 de outubro de 2018

O que é Substituição Tributária?

Postado em 20 de setembro de 2018

O que é CEST?

Postado em 18 de setembro de 2018

O que é SPED Contribuições?

Postado em 14 de setembro de 2018

O que é NCM e qual a sua importância?

Postado em 7 de agosto de 2018

Venda por operação triangular: o que é?

Postado em 13 de julho de 2018

Tabela CFOP: o que é e para que ela serve?

Postado em 10 de julho de 2018

NF-e de Transferência para Filial: Como emitir?

Postado em 5 de julho de 2018

6 perguntas frequentes sobre a ECD

Postado em 21 de junho de 2018

O que muda com a NF-e 4.0?

Postado em 19 de junho de 2018

Tudo o que você precisa saber sobre o bloco K do SPED Fiscal

Postado em 8 de junho de 2018

O que é manifestação do destinatário?

Postado em 29 de maio de 2018

O que fazer quando você perde suas notas fiscais?

Postado em 25 de maio de 2018

O que é e como funciona o SPED Fiscal?

Postado em 18 de maio de 2018

Cancelamento de nota fiscal após 24 horas

Postado em 4 de maio de 2018

Como emitir NF-e não contribuinte

Postado em 25 de abril de 2018

Como emitir uma NF-e com DIFAL

Postado em 20 de abril de 2018

Como emitir NF-e com Substituição Tributária

Postado em 19 de abril de 2018

Como emitir uma NF de remessa para feira ou exposição

Postado em 10 de abril de 2018

Nota Fiscal Complementar de ICMS: Como fazer?

Postado em 4 de abril de 2018

Quem deve entregar o SPED Fiscal: empresa ou contabilidade?

Postado em 16 de março de 2018

Como emitir uma nota fiscal de retorno de armazenagem

Postado em 1 de agosto de 2017

Como Emitir Nota Fiscal de Retorno de Mercadoria Vendida

Postado em 11 de julho de 2017

Como Emitir Nota Fiscal de Armazenagem – CFOP 5905

Postado em 3 de julho de 2017

O Guia Definitivo da NF-e 4.0: Saiba tudo sobre a mudança

Postado em 27 de junho de 2017

Guia de Gestão Financeira e Fiscal para Empresas

Postado em 12 de abril de 2016

Novas regras do ICMS: Entenda as mudanças

Postado em 26 de fevereiro de 2016

Emissão de NF-e: Tudo o que você precisa saber

Postado em 29 de janeiro de 2016

O que é a declaração de importação?

Postado em 26 de novembro de 2015

Nota Fiscal de Entrada de Importação: Planilha de Cálculo

Postado em 26 de outubro de 2015

Substituição Tributária: Planilha de Cálculo de ST para NF-e 4.0

Postado em 26 de outubro de 2015

FCI: saiba tudo sobre a Ficha de Conteúdo de Importação

Postado em 17 de setembro de 2015

Empresa de consultoria tributária: vale a pena contratar?

Postado em 25 de agosto de 2015

Cálculo do ICMS na importação: Devo incluir a Taxa da Marinha Mercante?

Postado em 20 de julho de 2015

COMENTÁRIOS

Existem 1 comente este post.

  • Bom dia Priscilla Sales
    Quais os assuntos que tenho que dominar no Comércio Exterior para trabalhar, antes de começar a faculdade ?

    João Lima - 16 de agosto de 2018 Responder

ADICIONE UM COMENTÁRIO