Empreendimentos que trabalham com produtos industrializados e utilização de insumos importados devem considerar a obrigatoriedade de estar em dia com o governo, evitando riscos fiscais. É importante lembrar que existe toda uma legislação voltada para quem trabalha com produtos importados, sendo necessário ter atenção para não deixar que detalhes prejudiquem seu negócio.

A emissão de notas fiscais com o número da FCI é um exemplo. A Ficha de Conteúdo de Importação (FCI) é uma obrigação acessória, prevista nas cláusulas quinta e sexta do Ajuste SINIEF 19, de 7 de novembro de 2012.

Por envolver uma série de elementos, a FCI costuma gerar dúvidas nas pessoas. Pensando nisso, falaremos mais sobre ela no post de hoje. Confira:

O que é, de fato, a FCI?

A FCI é uma ficha de preenchimento obrigatório, exigida a toda e qualquer pessoa ou empresa que tenha realizado operações com bens ou mercadorias submetidos a qualquer processo de industrialização. Sendo assim, se você trabalha com produtos industrializados, deve preencher a ficha.

Nela é necessário prestar esclarecimentos sobre os produtos que importa. São elementos como descrição da mercadoria, unidade de medida, valor da parcela importada do exterior, e valor total da saída interestadual, que resultará em um percentual “X” de importação.

Quem precisa apresentar essa ficha?

Como dito, todos os estabelecimentos que trabalham com produtos industrializados importados, independentemente do tipo de industrialização realizada, precisam apresentar essa ficha. Empresas que trabalham com transformação, beneficiamento, montagem, acondicionamento e reacondicionamento, renovação ou recondicionamento, entre outros.

Seu preenchimento e entrega devem ocorrer antes da emissão da Nota Fiscal.

Qual é a ideia?

O envio da Ficha de Conteúdo de Importação (FCI) ao Fisco permite ao governo obter as informações necessárias para determinar o percentual dos componentes importados em um produto final.

Dessa forma, é possível ter um maior controle sobre quais são os produtos que recebem o benefício da alíquota do ICMS, incidente nas operações interestaduais. O benefício é concedido exclusivamente a mercadorias com 50% ou 100% de origem estrangeira.

Como calcular o conteúdo da importação

A partir do cálculo do FOB do insumo importado é obtido um resultado que deve ser dividido pela média do valor unitário de venda interestadual do penúltimo período de apuração. Esse resultado será o conteúdo de importação.

Assim, o cálculo fica: produto + frete + seguro / MVU = Resultado da Importação.

Ficha de Conteúdo de Importação: simplificando

Com o objetivo de controlar os produtos beneficiados pela alíquota do ICMS reduzida para 4%, o governo criou um documento que revela detalhes sobre os produtos importados pelas empresas, para então verificar se o produto final foi vendido sem alterações ou se outros itens foram agregados.

Com isso, a ficha permite que seja conferida a quantidade de produtos importados que estão inseridos no produto final, controlando melhor o processo de industrialização.

Atenção ao preenchimento

Trata-se de um cálculo que requer cuidado, mas que não é tão difícil de se realizar. Ele se baseia na média ponderada do valor de venda de seu produto. Use a fórmula citada e procure ter a devida atenção para preencher a Ficha de Conteúdo de Importação (FCI). Assim você fica em dia com seus negócios.

Gostou do artigo? Ainda tem dificuldades para entender como funciona a FCI? Compartilhe conosco!

OUTROS POSTS

DeSTDA: tudo o que você precisa saber sobre essa obrigação

Postado em 13 de dezembro de 2018

DIFAL: o que é e como calcular?

Postado em 12 de dezembro de 2018

DUIMP: tudo sobre a Declaração Única de Importação

Postado em 6 de dezembro de 2018

NFe denegada: o que é e como resolver?

Postado em 27 de novembro de 2018

Qual a diferença entre Contribuinte, Contribuinte Isento e Não Contribuinte de ICMS?

Postado em 21 de novembro de 2018

Multas na importação: Como evitá-las?

Postado em 1 de novembro de 2018

SPED Fiscal: Versão 3.0 do Guia Prático

Postado em 8 de outubro de 2018

Regime Tributário: Qual escolher?

Postado em 2 de outubro de 2018

O que é Substituição Tributária?

Postado em 20 de setembro de 2018

O que é CEST?

Postado em 18 de setembro de 2018

O que é SPED Contribuições?

Postado em 14 de setembro de 2018

NCM para autopeças: Os riscos de uma classificação errada

Postado em 16 de agosto de 2018

O que é NCM e qual a sua importância?

Postado em 7 de agosto de 2018

Venda por operação triangular: o que é?

Postado em 13 de julho de 2018

Tabela CFOP: o que é e para que ela serve?

Postado em 10 de julho de 2018

NF-e de Transferência para Filial: Como emitir?

Postado em 5 de julho de 2018

Importação de autopeças: Tudo que você precisa saber

Postado em 27 de junho de 2018

6 perguntas frequentes sobre a ECD

Postado em 21 de junho de 2018

O que muda com a NF-e 4.0?

Postado em 19 de junho de 2018

Importação de vinho: como calcular o preço de venda

Postado em 14 de junho de 2018

Tudo o que você precisa saber sobre o bloco K do SPED Fiscal

Postado em 8 de junho de 2018

O que é manifestação do destinatário?

Postado em 29 de maio de 2018

O que fazer quando você perde suas notas fiscais?

Postado em 25 de maio de 2018

O que é e como funciona o SPED Fiscal?

Postado em 18 de maio de 2018

Cancelamento de nota fiscal após 24 horas

Postado em 4 de maio de 2018

Como emitir NF-e não contribuinte

Postado em 25 de abril de 2018

Como emitir uma NF-e com DIFAL

Postado em 20 de abril de 2018

Como emitir NF-e com Substituição Tributária

Postado em 19 de abril de 2018

Como emitir uma NF de remessa para feira ou exposição

Postado em 10 de abril de 2018

Gastos com capatazia excluídos da base de cálculo do II

Postado em 5 de abril de 2018

Nota Fiscal Complementar de ICMS: Como fazer?

Postado em 4 de abril de 2018

Quem deve entregar o SPED Fiscal: empresa ou contabilidade?

Postado em 16 de março de 2018

Nota fiscal de Importação: 4 perguntas frequentes

Postado em 25 de janeiro de 2018

Importação de produtos: Os 5 erros cometidos por brasileiros

Postado em 10 de janeiro de 2018

Importação marítima x importação aérea: qual a mais vantajosa?

Postado em 9 de janeiro de 2018

ICMS de produtos importados para revenda: Suspenso em São Paulo

Postado em 30 de novembro de 2017

Como emitir uma nota fiscal de retorno de armazenagem

Postado em 1 de agosto de 2017

Como Emitir Nota Fiscal de Retorno de Mercadoria Vendida

Postado em 11 de julho de 2017

O Guia Definitivo da NF-e 4.0: Saiba tudo sobre a mudança

Postado em 27 de junho de 2017

Como importar pela primeira vez

Postado em 19 de junho de 2017

Podcast Semanal – Episódio 1

Postado em 9 de novembro de 2016

As 3 Vantagens de usar o ComexNF-e para o Importador

Postado em 7 de novembro de 2016

Série de Importação: O valor aduaneiro

Postado em 8 de junho de 2016

Série de importação: Órgãos internacionais

Postado em 24 de maio de 2016

Série de Importação: Modelos de importação

Postado em 11 de maio de 2016

Série de Importação: O despacho aduaneiro

Postado em 11 de maio de 2016

Guia de Gestão Financeira e Fiscal para Empresas

Postado em 12 de abril de 2016

Novas regras do ICMS: Entenda as mudanças

Postado em 26 de fevereiro de 2016

Emissão de NF-e: Tudo o que você precisa saber

Postado em 29 de janeiro de 2016

Impostos de importação: veja quais são e saiba como calcular

Postado em 21 de janeiro de 2016

Guia de Importação Para Empresas

Postado em 18 de dezembro de 2015

Software de gestão para importação: Veja as 5 Vantagens

Postado em 17 de dezembro de 2015

Importação por Conta e Ordem: Veja Como Funciona

Postado em 1 de dezembro de 2015

O que é a declaração de importação?

Postado em 26 de novembro de 2015

Como Contratar Um Bom Despachante Aduaneiro

Postado em 12 de novembro de 2015

Como emitir a declaração simplificada de importação?

Postado em 5 de novembro de 2015

NF-e de importação: Aprenda como fazer

Postado em 4 de novembro de 2015

Nota Fiscal de Entrada de Importação: Planilha de Cálculo

Postado em 26 de outubro de 2015

Substituição Tributária: Planilha de Cálculo de ST para NF-e 4.0

Postado em 26 de outubro de 2015

Benefícios do cloud computing para a sua importadora

Postado em 9 de outubro de 2015

Como um software de gestão pode ajudar sua importadora

Postado em 24 de setembro de 2015

Despachante aduaneiro: O que é e o que faz

Postado em 22 de setembro de 2015

Precificação de Produtos Importados: 3 itens a considerar

Postado em 11 de setembro de 2015

Empresa de consultoria tributária: vale a pena contratar?

Postado em 25 de agosto de 2015

Saiba mais sobre a substituição tributária na importação

Postado em 7 de agosto de 2015

Cálculo do ICMS na importação: Devo incluir a Taxa da Marinha Mercante?

Postado em 20 de julho de 2015

Devolução de mercadoria importada: é possível?

Postado em 20 de julho de 2015

5 dicas para evitar custos extras com armazenagem numa importação

Postado em 20 de maio de 2015

Bloco K: o que é e como se adequar

Postado em 19 de maio de 2015

COMENTÁRIOS

Existem 3 comente este post.

  • Eduardo, boa tarde
    Fiz o preenchimento a FCI como solicitado, porém não estou conseguindo protocolar, visto que em consulta com o plantão fiscal da SEFAZ/RJ os mesmos desconhecem esse documento. Saberia informar qual o procedimento para termos o recibo de entrega e o número do controle da FCI para ser inserido na NF?

    Daniel Oliveira - 17 de setembro de 2015 Responder
    • Olá, Daniel. Obrigada pelo seu comentário. Até o momento ainda não temos essa informação. Assim que tivermos, postaremos aqui no blog.

      Priscilla Sales - 17 de setembro de 2015 Responder
  • Boa Tarde !!! Ao preencher a ficha estou com duvida no campo valor total da saída interestadual e valor da parcela impostada no exterior.
    somos uma empresa de geradores onde exportamos alternador e QTA e o motor nacional. No campo valor total da saída interestadual será o valor ponderado( que seria o valor total dos produtos ) de venda e o valor da parcela importada no exterior como será calculado pois considero o valor unitário da nota de importação ou base de calculo imposto de importação?? outra duvida os produtos nacionais entra nesse calculo???

    fabiana - 17 de setembro de 2015 Responder

ADICIONE UM COMENTÁRIO