A nota fiscal eletrônica é uma realidade cada vez mais presente nas empresas brasileiras. Isso porque, cada vez mais, municípios estão aderindo ao projeto, que visa a modernizar o processo de emissão de notas fiscais no país. No entanto, muitos empresários ainda têm dúvidas sobre o assunto, e é por isso que elaboramos este post com tudo o que você precisa saber sobre a emissão de NF-e. Confira!

Por que a nota fiscal eletrônica foi criada?

A nota fiscal eletrônica foi criado com o objetivo de otimizar os processos nas organizações, uma vez que seu preenchimento é mais rápido e prático do que o velho modelo, no qual as notas eram preenchidas à mão.

A praticidade da nota fiscal eletrônica se dá, principalmente, por permitir a importação de dados a partir de arquivos no formato XML. Desse modo, não há a necessidade de se preencher todos os campos solicitados cada vez que for emitir uma nota.

Quais são os benefícios da NF-e?

A NF-e traz benefícios tanto para o governo quanto para comunidade em um todo. O principal deles diz respeito à diminuição do uso do papel, reduzindo os impactos ambientais e preservando a natureza.

Além disso, as notas eletrônicas são mais fáceis de preencher e também evitam que caminhões tenham que parar para fiscalização em estradas, agilizando a entrega de mercadorias aos destinatários em caso de importação, por exemplo.

Quais são os tipos de nota fiscal eletrônica?

Atualmente, existem três tipos de nota fiscal eletrônica. A mais comum é a NF-e, que substituiu as notas ficais de modelos 1 e 1A, utilizadas para os processos de venda e prestação de serviços.

Também existe a NFS-e, que substituiu a Declaração de Serviço, e a CT-e, que substitui a documentação necessária para se realizar transporte de cargas.

Como fazer a emissão de NF-e na minha empresa?

Para você emitir NF-e na sua empresa, precisa seguir os três passos a seguir:

Tenha um certificado digital

A NF-e só tem validade jurídica se tiver uma assinatura digital comprovando que foi emitida por determinada empresa. Para isso, você precisará adquirir um certificado digital, com uma Autoridade Certificadora credenciada pela Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira.

Cadastre-se na Secretaria da Fazenda

O segundo passo para emitir nota fiscal eletrônica na empresa é fazer um credenciamento na Secretaria Estadual da Fazenda da sua região. Esse cadastro varia de um lugar para outro, uma vez que cada estado brasileiro tem sua legislação específica, mas, geralmente, o procedimento é bastante simples de ser feito.

Ao fazer o cadastro, você pode optar por emitir notas como teste por um período e, assim, suas notas não serão enviadas oficialmente até que você adquira prática.

Durante essa etapa, é importante que você conte com a ajuda de contador de sua confiança, e que tenha conhecimento nas leis do seu estado.

Adquira um Software Emissor de NF-e

Nessa etapa, você deve adquirir um software para emitir suas notas fiscais. As próprias Secretarias da Fazenda costumam disponibilizar para download um programa gratuito para a emissão de NF-e, no entanto, eles são bastante limitados e, se sua empresa emite muitas notas, podem não ser a opção ideal.

Conseguimos esclarecer suas dúvidas sobre emissão de NF-e? Em caso de ainda ter questionamentos ou querer compartilhar suas experiências com esse sistema, deixe um comentário!

OUTROS POSTS

DeSTDA: tudo o que você precisa saber sobre essa obrigação

Postado em 13 de dezembro de 2018

DIFAL: o que é e como calcular?

Postado em 12 de dezembro de 2018

NFe denegada: o que é e como resolver?

Postado em 27 de novembro de 2018

Qual a diferença entre Contribuinte, Contribuinte Isento e Não Contribuinte de ICMS?

Postado em 21 de novembro de 2018

SPED Fiscal: Versão 3.0 do Guia Prático

Postado em 8 de outubro de 2018

Regime Tributário: Qual escolher?

Postado em 2 de outubro de 2018

O que é Substituição Tributária?

Postado em 20 de setembro de 2018

O que é CEST?

Postado em 18 de setembro de 2018

O que é SPED Contribuições?

Postado em 14 de setembro de 2018

NCM para autopeças: Os riscos de uma classificação errada

Postado em 16 de agosto de 2018

O que é NCM e qual a sua importância?

Postado em 7 de agosto de 2018

Venda por operação triangular: o que é?

Postado em 13 de julho de 2018

Tabela CFOP: o que é e para que ela serve?

Postado em 10 de julho de 2018

NF-e de Transferência para Filial: Como emitir?

Postado em 5 de julho de 2018

6 perguntas frequentes sobre a ECD

Postado em 21 de junho de 2018

O que muda com a NF-e 4.0?

Postado em 19 de junho de 2018

Tudo o que você precisa saber sobre o bloco K do SPED Fiscal

Postado em 8 de junho de 2018

O que é manifestação do destinatário?

Postado em 29 de maio de 2018

O que fazer quando você perde suas notas fiscais?

Postado em 25 de maio de 2018

O que é e como funciona o SPED Fiscal?

Postado em 18 de maio de 2018

Cancelamento de nota fiscal após 24 horas

Postado em 4 de maio de 2018

Como emitir NF-e não contribuinte

Postado em 25 de abril de 2018

Como emitir uma NF-e com DIFAL

Postado em 20 de abril de 2018

Como emitir NF-e com Substituição Tributária

Postado em 19 de abril de 2018

Como emitir uma NF de remessa para feira ou exposição

Postado em 10 de abril de 2018

Nota Fiscal Complementar de ICMS: Como fazer?

Postado em 4 de abril de 2018

Quem deve entregar o SPED Fiscal: empresa ou contabilidade?

Postado em 16 de março de 2018

Como emitir uma nota fiscal de retorno de armazenagem

Postado em 1 de agosto de 2017

Como Emitir Nota Fiscal de Retorno de Mercadoria Vendida

Postado em 11 de julho de 2017

O Guia Definitivo da NF-e 4.0: Saiba tudo sobre a mudança

Postado em 27 de junho de 2017

Guia de Gestão Financeira e Fiscal para Empresas

Postado em 12 de abril de 2016

Novas regras do ICMS: Entenda as mudanças

Postado em 26 de fevereiro de 2016

O que é a declaração de importação?

Postado em 26 de novembro de 2015

Nota Fiscal de Entrada de Importação: Planilha de Cálculo

Postado em 26 de outubro de 2015

Substituição Tributária: Planilha de Cálculo de ST para NF-e 4.0

Postado em 26 de outubro de 2015

FCI: saiba tudo sobre a Ficha de Conteúdo de Importação

Postado em 17 de setembro de 2015

Empresa de consultoria tributária: vale a pena contratar?

Postado em 25 de agosto de 2015

Cálculo do ICMS na importação: Devo incluir a Taxa da Marinha Mercante?

Postado em 20 de julho de 2015

COMENTÁRIOS

Existem 0 comente este post.

ADICIONE UM COMENTÁRIO