Em operações comerciais entre diferentes estados, as empresas envolvidas precisam estar atentas ao Diferencial de Alíquota (DIFAL) no recolhimento do ICMS. Se o cálculo correto do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços já é um desafio, as particularidades de operações interestaduais podem gerar ainda mais dúvidas.

Por ser um tributo de competência estadual, cada estado brasileiro possui suas próprias regras para o recolhimento do ICMS, o que inclui diferentes alíquotas. Isso significa que em operações interestaduais é preciso observar legislações diferentes, criando a necessidade de calcular a diferença entre os valores recolhidos. Trata-se de mais um aspecto que merece atenção em meio a tantas outras obrigações do SPED Fiscal.

O DIFAL surgiu para tornar mais fácil o recolhimento do ICMS em operações interestaduais. Neste artigo veremos as principais informações sobre o cálculo desse diferencial.

O que é DIFAL?

Em janeiro de 2016 entrou em vigor a Emenda Constitucional 87 de 2015, que dispõe sobre o DIFAL:

Nas operações e prestações que destinem bens e serviços a consumidor final, contribuinte ou não do imposto, localizado em outro Estado, adotar-se-á a alíquota interestadual e caberá ao Estado de localização do destinatário o imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna do Estado destinatário e a alíquota interestadual.

Ou seja, o DIFAL é simplesmente a diferença entre a alíquota interestadual e a alíquota interna de ICMS, com variações de acordo com o estado de origem e estado de destino. Com base nesse mecanismo o poder público conseguiu tornar mais justas as operações entre empresas localizadas em diferentes estados.

De quem é a obrigação do recolhimento?

A previsão sobre a obrigação do recolhimento do DIFAL também está prevista na Emenda Constitucional 87 de 2015, que faz uma diferenciação de acordo com o contribuinte do ICMS:

VIII – a responsabilidade pelo recolhimento do imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna e a interestadual de que trata o inciso VII será atribuída:
a) ao destinatário, quando este for contribuinte do imposto;
b) ao remetente, quando o destinatário não for contribuinte do imposto

Além disso, também é preciso observar uma regra de transição para as operações e prestações que destinem bens e serviços a consumidor final não contribuinte localizado em outro estado. O imposto correspondente ao DIFAL será partilhado entre os estados de origem e de destino na seguinte proporção:

  • 2015: 20% (vinte por cento) para o Estado de destino e 80% (oitenta por cento) para o Estado de origem;
  • 2016: 40% (quarenta por cento) para o Estado de destino e 60% (sessenta por cento) para o Estado de origem;
  • 2017: 60% (sessenta por cento) para o Estado de destino e 40% (quarenta por cento) para o Estado de origem;
  • 2018: 80% (oitenta por cento) para o Estado de destino e 20% (vinte por cento) para o Estado de origem;
  • A partir de 2019: 100% (cem por cento) para o Estado de destino.

Como calcular o DIFAL?

Realizar o cálculo do DIFAL é mais simples do que parece. Veja quais são os passos que você deve seguir para calcular o diferencial de alíquota:

  1. Identifique o valor da operação antes da incidência do ICMS
  2. Calcule o valor devido a título de ICMS com a alíquota interna
  3. Calcule o valor do ICMS devido com a alíquota interestadual
  4. Encontre a diferença entre os valores a serem recolhidos: esse é o DIFAL da operação

Ou seja, se uma empresa localizada em um estado em que a alíquota do ICMS é de 18% realiza a venda de mercadorias para uma empresa de um estado em que a alíquota do ICMS é de 12%, é preciso fazer o recolhimento de uma diferença de 6% na operação.

Você já conhecia o funcionamento do DIFAL? Se você gostou das informações apresentadas neste artigo, assine a nossa newsletter e receba novos conteúdos em primeira mão!

OUTROS POSTS

Planejamento tributário para 2019: 5 dicas de como fazê-lo

Postado em 10 de janeiro de 2019

DeSTDA: tudo o que você precisa saber sobre essa obrigação

Postado em 13 de dezembro de 2018

NFe denegada: o que é e como resolver?

Postado em 27 de novembro de 2018

Qual a diferença entre Contribuinte, Contribuinte Isento e Não Contribuinte de ICMS?

Postado em 21 de novembro de 2018

SPED Fiscal: Versão 3.0 do Guia Prático

Postado em 8 de outubro de 2018

Regime Tributário: Qual escolher?

Postado em 2 de outubro de 2018

O que é Substituição Tributária?

Postado em 20 de setembro de 2018

O que é CEST?

Postado em 18 de setembro de 2018

O que é SPED Contribuições?

Postado em 14 de setembro de 2018

NCM para autopeças: Os riscos de uma classificação errada

Postado em 16 de agosto de 2018

O que é NCM e qual a sua importância?

Postado em 7 de agosto de 2018

Venda por operação triangular: o que é?

Postado em 13 de julho de 2018

Tabela CFOP: o que é e para que ela serve?

Postado em 10 de julho de 2018

NF-e de Transferência para Filial: Como emitir?

Postado em 5 de julho de 2018

6 perguntas frequentes sobre a ECD

Postado em 21 de junho de 2018

O que muda com a NF-e 4.0?

Postado em 19 de junho de 2018

Tudo o que você precisa saber sobre o bloco K do SPED Fiscal

Postado em 8 de junho de 2018

O que é manifestação do destinatário?

Postado em 29 de maio de 2018

O que fazer quando você perde suas notas fiscais?

Postado em 25 de maio de 2018

O que é e como funciona o SPED Fiscal?

Postado em 18 de maio de 2018

Cancelamento de nota fiscal após 24 horas

Postado em 4 de maio de 2018

Como emitir NF-e não contribuinte

Postado em 25 de abril de 2018

Como emitir uma NF-e com DIFAL

Postado em 20 de abril de 2018

Como emitir NF-e com Substituição Tributária

Postado em 19 de abril de 2018

Como emitir uma NF de remessa para feira ou exposição

Postado em 10 de abril de 2018

Nota Fiscal Complementar de ICMS: Como fazer?

Postado em 4 de abril de 2018

Quem deve entregar o SPED Fiscal: empresa ou contabilidade?

Postado em 16 de março de 2018

Como emitir uma nota fiscal de retorno de armazenagem

Postado em 1 de agosto de 2017

Como Emitir Nota Fiscal de Retorno de Mercadoria Vendida

Postado em 11 de julho de 2017

Como Emitir Nota Fiscal de Armazenagem – CFOP 5905

Postado em 3 de julho de 2017

O Guia Definitivo da NF-e 4.0: Saiba tudo sobre a mudança

Postado em 27 de junho de 2017

Guia de Gestão Financeira e Fiscal para Empresas

Postado em 12 de abril de 2016

Novas regras do ICMS: Entenda as mudanças

Postado em 26 de fevereiro de 2016

Emissão de NF-e: Tudo o que você precisa saber

Postado em 29 de janeiro de 2016

O que é a declaração de importação?

Postado em 26 de novembro de 2015

Nota Fiscal de Entrada de Importação: Planilha de Cálculo

Postado em 26 de outubro de 2015

Substituição Tributária: Planilha de Cálculo de ST para NF-e 4.0

Postado em 26 de outubro de 2015

FCI: saiba tudo sobre a Ficha de Conteúdo de Importação

Postado em 17 de setembro de 2015

Empresa de consultoria tributária: vale a pena contratar?

Postado em 25 de agosto de 2015

Cálculo do ICMS na importação: Devo incluir a Taxa da Marinha Mercante?

Postado em 20 de julho de 2015

COMENTÁRIOS

Existem 0 comente este post.

ADICIONE UM COMENTÁRIO