A classificação fiscal da importação é uma obrigação de qualquer empresa que trabalhe com itens importados. Ela é de grande importância no processo de aquisição de materiais ou serviços. E é muito comum que os empresários do setor tenham muitas dúvidas sobre esse procedimento tais como riscos de uma classificação inadequada ou ainda como realizar o procedimento correto. 

Neste artigo vamos abordar os principais aspectos relacionados à classificação fiscal da importação e sanaremos dúvidas recorrentes acerca do assunto.

O que é classificação fiscal de importação?

A classificação fiscal da importação é realizada com base na Nomenclatura Comum do Mercosul – NCM. Ela visa estabelecer um padrão a ser utilizado nas compras realizadas do exterior, unificando em uma mesma categoria itens que tenham especificações uniformes .

Para cada mercadoria adquirida, é adotada uma especificação que define o enquadramento do item em uma categoria de tributação, com alíquota fiscal correspondente a ser aplicada sobre uma determinada compra.

A classificação fiscal da importação é definida por meio de uma sequência de oito dígitos que estabelecem, entre outras informações, os tipos de itens da importação.

Uma classificação correta evita riscos de autuações e multas para a empresa. Dessa forma, é fundamental que seja realizada por profissionais qualificados e conhecedores tanto das mercadorias adquiridas como da tabela de aplicação da classificação fiscal.

Qual importância da classificação fiscal da importação?

A classificação fiscal da importação é importante para atribuir um código correto e uniforme de mercadorias adquiridas. Ela viabiliza a correta tributação dos itens adquiridos. Além disso, alguns itens podem oferecer incentivos à compra, que podem ser desfrutados pelo importador com a correta classificação. 

Esse processo permite, inclusive, que seja possível adotar verificações sobre os registros realizados pelos Países importadores, no caso de ações de dumping ou mesmo de esclarecimentos tributários aplicados pelo País.

Como é uma definição estabelecida por acordo de centenas de países, é possível normatizar, de forma igualitária, a prática tributária global. Assim, privilégios a determinados países são evitados, pois a base deste sistema é harmonizar a visão de tributação internacional.

Quais os riscos existentes na classificação incorreta?

Uma inadequada classificação fiscal da importação leva a sanções fiscais por parte da Receita Federal. Esta, ao ao identificar erros nas classificações, aplicam multas pesadas à empresa.

Ao desclassificar uma importação, a Receita Federal poderá aplicar multa entre 1% e 10% sobre o total da mercadoria  dependendo do valor da importação. Além disso, realiza o reenquadramento da alíquota da importação.

A Receita Federal pode, também, aplicar multa, juros e diferencial de alíquota para todas as operações anteriormente realizadas pela empresa, que tiveram a indicação do código atual.

Dessa forma, ocorrendo tais autuações, a empresa poderá vir a ter suas operações totalmente comprometidas, prejudicando até mesmo a sua prosperidade caso tenha um volume substancial de importações realizadas.

Classificar de forma correta os itens importados têm importância crucial para a empresa importadora. Os riscos são incalculáveis sendo que há até a possibilidade de ser denunciada criminalmente, caso o Fisco entenda da mesma maneira.

Como assegurar a correta classificação fiscal da importação?

Ter certeza da correta classificação fiscal da importação é o fator fundamental para não ser surpreendido por penalidades de grande impacto para a empresa.

Dessa maneira, é muito importante contar com o apoio de profissional capacitado para analisar e enquadrar de forma correta a classificação fiscal. Ele deve ter, também, o conhecimento de informações técnicas do item adquirido e em caso de dúvidas recorrer a empresas especializadas de comércio exterior ou consultando a Receita Federal.

Como verificamos, a classificação fiscal da importação é um aspecto importante para evitar danos significativos para a empresa. O empresário precisa estar atento a cada aspecto da atividade de importação para não acabar recebendo surpresas desagradáveis. Conte com empresas confiáveis que tenham boa reputação para auxiliá-lo, como a as soluções da Mainô.

Tem mais alguma dúvida acerca da classificação fiscal da importação? Deixe um comentário que nós iremos ajudar a saná-la. 

OUTROS POSTS

4 passos para reduzir a inadimplência no meu comércio

Postado em 4 de junho de 2018

Determinando contabilmente o preço de um produto

Postado em 17 de maio de 2018

Novidade no Sistema: Módulo de Planos de Contas

Postado em 15 de maio de 2018

Tudo o que você precisa saber sobre Microempreendedor Individual (MEI)

Postado em 27 de abril de 2018

5 dicas fundamentais para encantar e reter clientes

Postado em 12 de abril de 2018

Guia Certificado Digital ICP-Brasil

Postado em 26 de março de 2018

Pis e Cofins na importação: como recuperar impostos

Postado em 8 de março de 2018

Retrospectiva de 2017

Postado em 3 de janeiro de 2018

Case de Sucesso Comex NF-e: H3 Trading

Postado em 16 de novembro de 2017

Tributação na Importação: Redução no Paraná e Santa Catarina

Postado em 1 de novembro de 2017

Para que serve a licença de importação?

Postado em 19 de outubro de 2017

Fim do emissor gratuito da Sefaz Maranhão

Postado em 13 de outubro de 2017

Fim dos boletos sem registro: mais segurança nas transações

Postado em 4 de outubro de 2017

A morte dos ERPs completos

Postado em 20 de setembro de 2017

Como reduzir custos de empresas de Comex

Postado em 14 de setembro de 2017

3 coisas que aprendi que vão mudar sua empresa

Postado em 31 de agosto de 2017

Redução no imposto de importação para 4,9 mil produtos

Postado em 18 de agosto de 2017

A Mainô agora faz parte do Hub do Empreendedor!

Postado em 7 de agosto de 2017

Planejamento de Estoque: Inimigo ou Aliado?

Postado em 24 de julho de 2017

Como Emitir Nota Fiscal de Armazenagem

Postado em 3 de julho de 2017

Pis e Cofins na Importação: Como Recuperar Impostos

Postado em 18 de maio de 2017

Como calcular uma NF-e de Importação como seu despachante

Postado em 29 de agosto de 2016

O Retorno do Investimento da adoção de ERPs Cloud para PME

Postado em 14 de julho de 2016

Software de gestão: por que sua empresa deve ter um

Postado em 16 de maio de 2016

Os 5 maiores mitos sobre tecnologia na nuvem

Postado em 29 de abril de 2016

Como reduzir custos na empresa de forma profissional

Postado em 14 de abril de 2016

Como uma empresa de importação reduziu 97% do desperdício

Postado em 14 de abril de 2016

Guia de Gestão Financeira e Fiscal para Empresas

Postado em 12 de abril de 2016

7 dicas infalíveis para ter uma empresa de sucesso

Postado em 1 de março de 2016

5 vantagens de utilizar um software na nuvem

Postado em 21 de janeiro de 2016

Planilha de controle de estoque: video explicativo

Postado em 6 de outubro de 2015

Como Recuperar os Impostos da Sua Empresa ?

Postado em 25 de agosto de 2015

COMENTÁRIOS

Existem 0 comente este post.

ADICIONE UM COMENTÁRIO